quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

A homeopatia é cientificamente reconhecida?


Manoel Barral

Segundo o CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA, no seu Art. 32, é vedado ao médico: “Deixar de usar todos os meios disponíveis de diagnóstico e tratamento, cientificamente reconhecidos e a seu alcance, em favor do paciente.” Como se concilia esta norma com o tratamento homeopático? 
É interessante observar que o texto refere “cientificamente reconhecidos” evitando uma expressão mais direta de “baseada em evidências”. Desta maneira, não podemos exigir que sejam seguidos os requisitos para classificar uma recomendação como baseada em evidências “sólidas”, as melhores disponíveis.  Neste tópico veja a discussão do blog Medicina Baseada em Evidências sobre a homeopatia.
A exigência de evidência científica não tem sido observada mesmo em áreas da medicina tão científicas quanto a cardiologia (veja um post de Luis Claudio Correia sobre isto).
Mesmo não considerando a necessidade de embasamento em evidência, o que significa cientificamente reconhecido? Não conheço uma definição específica do que seja cientificamente reconhecido. Valer-me-ei de algo que ninguém se queixa de ser pouco aquinhoado: o bom senso. Creio que todos concordam: para que algo seja cientificamente reconhecido deve ter sido seguido o método científico.
O método científico indica que a chance de encontrar uma partícula de enxofre no “enxofre homeopático”, com todas as suas diluições, é de 1 para 6 x10(E)23, veja aqui. Isto mesmo, 1: 600.000.000.000.000.000.000.000.  A  chance de acertar a mega-sena (jogando R$2,00) é de 1 para 50.063.860. Assim, a sua chance de encontrar o enxofre no “enxofre homeopático” é BEM menor do que acertar na mega-sena. 
Você concorda em classificar como cientificamente reconhecido algo milhões de vezes menos provável que ganhar na mega-sena ?


Ilustração.

17 comentários:

  1. Tenho uma dúvida: Blog gera evidência? rsrsrs Pergunto por vontade de criar um mesmo...
    Abraço
    Bruno Bezerril

    ResponderExcluir
  2. Totalmente de acordo com a reflexão... Meu lado racional, cientifico.

    No entanto, dizemos sempre: "Em Medicina nem nunca, nem sempre"
    De onde vem esta expressão? Qual seu significado? Algum "evidence based" status, ou pura elucubração? Magia? Placebo responses?
    Meu lado aberto às coisas que não são "explicaveis".

    Em outras palavras. Por que não utilizar quando nossa classica alopatia concluiu todos seus passos sem sucesso?

    Eduardo Santos-Lima

    ResponderExcluir
  3. Em relação ao comentário de Eduardo, cito:
    "The second category of healthcare professionals might be aware of the “best available evidence” but could use homeopathic remedies as “helpful placebos”, arguing that it does not matter so much how we help patients — what is crucial is that we help them. This might be convincing at first glance; closer scrutiny, however, discloses this logic to be ethically flawed.
    It would, almost by definition, involve deceiving patients. If we tell our patients that a homeopathic remedy is devoid of specific therapeutic effects, we cannot expect them to respond with clinical improvement. To generate a positive response, we must maximise expectations — and this can only be achieved by using deception. Not telling the truth undermines trust and is unethical..."
    Edzard Ernst. Trends in Pharmacological Sciences
    Volume 31, Issue 1, January 2010, Page 1
    doi:10.1016/j.tips.2009.10.005

    ResponderExcluir
  4. Em relação ao comentário de Bruno:
    Um blog não é comumente usado para apresentar os dados originais de algo que gere evidência cientifica, pelo menos até o momento....
    Os blogs não são submetidos a uma revisão por pares clássica antes de sua divulgação.
    O texto do blog pode servir para discussão.

    ResponderExcluir
  5. Gostei do comentário a respeito do Código de Ética Médica. Acho que também deveria ser vedado ao médico utilizar terapias que não oferecem benefício. As pessoas tem mania de achar que podem prescrever certas terapias só porque estas não fazem mal. Não fazer mal é uma condição necessária para a prescrição, mas não suficiente.

    ResponderExcluir
  6. Bruno
    Sim, o Blog está fazendo um interessate papel.
    Ontem usei o texto do blog pra iniciar uma discussão com um colega médico. Apesar de eu ser médico, não sou assitêncialista, mas esse meu amigo é. Segue a opinião dele, sem a identificação. Colei aqui por considerar que o ponto de vista dele deve ser comum a muitos profissionais.
    "...medicina baseada em evidências; esta se baseia em fatos comprovados científicamente, mas nós sabemos que o método científico tem grandes limitações e não consegue "ver" tudo, atrás de todos os fenômenos observados. Aliás, a ciência deve estar percebendo uma fração ainda muito pequena da verdade. Existe o que se pode chamar de "6o sentido", intuição, sensibilidade além dos 5 sentidos, percepção - do médico. Este vai juntando tudo isso (que se pode agregar como "sua experiência pessoal") e mais as evidências científicas documentadas. A prática médica se baseia nesse ajuntamento de observações, leituras etc.
    Se não fosse assim, poderíamos abdicar do trabalho de formar médicos - bastaria alimentarmos programas de informática com todo o conhecimento científico existente e criarmos fórmulas para o sistema utilizar esse conhecimento para diagnosticar e tratar pacientes. No entanto, o que se observa é que quando o médico é apenas seguidor de diretrizes e consensos, ele ERRA! E erra muito e feio! Porque não sabe avaliar e porque não tem independência de pensamento para encontrar as melhores soluções."

    ResponderExcluir
  7. Vou me arvorar aqui na discussão.

    Vejo um pouco tendencioso que a eficácia da homeopatia seja avaliada pela probabilidade de encontrar determinada substância. Porque daí o que você está avaliando é a probabilidade de encontrar o enxofre e não a eficácia global da terapia. A avaliação teria que ser feita na evolução do paciente, certo?

    ResponderExcluir
  8. Oi Marina,
    Se não há substância na preparação, o efeito seria devido à água ou seja ao efeito placebo.
    Se for placebo, veja o comentário já colocado em resposta a Eduardo.

    ResponderExcluir
  9. Barral, concordo sempre... Não penso que eu usaria homeopatia (para mim ou um filho meu).

    No entanto tomando como prerrogativa que "toda verdade é uma verdade até que se prove o contrario"... e que é à duvida que faz avançar todo conceito estabelecido: "tudo que é solido se desmancha no ar"...

    Sera que os conceitos classicos da homeoterapia são simplismente não consistentes com os conceitos actuais cientificos? o conhecimento de amanhã seja quimico ou fisico, eventualmente não podera nos dar novas chaves, abrir outras portas?

    ResponderExcluir
  10. probabilidades de haver choques entre as cargas de um atomo O instavel
    1X500...___....___....___

    ResponderExcluir
  11. Enquanto isso...
    Os criacionistas se expandem demografica e politicamente...
    O astrologia se vale de sua milenaridade para fazer do horóscopo uma das sessões mais lidas dos jornais...
    Fuma-se mesmo sabendo-se dos males associados
    Materialistas acreditam em livre-arbítrio e crentes em destino (!?!?)
    A razão é como MAC: todo mundo acha bacana mas é usada por menos de 10% das pessoas
    Sabe de uma?
    Eu prefiro ser esta metamorfose ambulante!
    Já pensou se houvesse anestesia homeopática?
    - Depois da milésima cápsula, a senhora volta. Se sua barriga estiver dormente a gente tira seu apêndice!

    ResponderExcluir
  12. hehehehehehe
    Saudade Manellis
    Abraço

    ResponderExcluir
  13. Manelli, Adoro a idéia da anetesia homeopatica!! :-)

    ResponderExcluir
  14. A escolha da melhor indicação terapêutica a um caso clínico deve ser feita criteriosamente pelo médico homeopata, que já tendo a formação anterior em medicina alopática, pode, com o conhecimento das duas formas de tratamento, decidir pela mais eficaz ao paciente. Cada médico deve fazer o que acha melhor e mais benéfico ao seu paciente, de acordo com o código de ética médica, previsto nos artigos 21, 22 e 27 nos direitos do médico.
    No Brasil, resolução CFM nº 1000, de 4 de junho de 1980 reconhece a Homeopatia como Especialidade Médica. Atualmente existem mais de 15.000 médicos homeopatas, que, por serem médicos, merecem o mesmo respeito ético devido aos não homeopatas. A questão básica é que os não-homeopatas necessitam inicialmente conhecer os fundamentos da Homeopatia, que diferem dos Alopáticos e Enantiopáticos, para poderem embasar as sus opiniões com respaldos “científicos”. O que é científico? A ciência necessita ser constantemente questionada, pois as conclusões atuais podem ser modificadas posteriormente. A metotologia para aferir um fato científico, necessita ser adequada ao que se quer investigar.

    Finalizando devemos considerar que a Homeopatia é uma forma de terapia com características holísticas, e que a sua indicação deve ser personalizada para cada caso clínico, não podendo ser indicada apenas para a doença, separada das características de cada indivíduo e de sua forma de interagir com o meio que o cerca. A proposta da pesquisa com a homeopatia para avaliação de casos clínicos deve ser a de individualizar cada doente, identificar dentre as diversas técnicas existentes, a mais adequada para ele e fazer o acompanhamento por longo período (como nos estudos de Coorte), esperando uma melhora de forma integral do organismo e não apenas de partes de seu corpo. A homeopatia trabalha com indivíduos únicos enquanto que a Alopatia trabalha com grupos. Como tais estudos não conseguem financiamento, poderemos fazer estudos de Qualidade de Vida em Saúde- QVS, que possibilita o estudo individual e um acompanhamento médico em médio prazo. Há várias formas de consensos e racionalidades, necessitando também da escolha de métodos de estudos adequados.

    Francisco Eratóstenes da Silva, médico CRM 3689
    Presidente da Associação Médica Paraense de Homeopatia
    Vice-Presidente da Associação Médica Brasileira de Homeopatia

    ResponderExcluir
  15. Esses comentários para defender a homeopatia não são científicos. Usam um modelo que sobreviveu no século XVIII quando a alopatia só fazia sangrias e purgantes... daí o fato da última ter matado tantos pacientes.

    Questionar cientificamente uma premissa não é desrespeito ético. Pelo contrário, a ciência se vale do questionamento e da realização de experimentos e reproduções experimentais. Onde está o questionamento "científico" que a homeopatia faz? Onde está a metodologia que a homeopatia propõe?

    ResponderExcluir
  16. Para ânimos holísticos mais exaltados, recomendo Popper.
    Em doses homeopáticas é claro!

    ResponderExcluir
  17. Homeopatia, fitoterapia, bruxaria etccc servem para acalmar a ignorancia de massas mediocres, e que usam a mente em pró as novelas da globo!

    ResponderExcluir